Testamos o Polo 2020 versão “top” Highline TSI

Testamos o Polo 2020 versão “top” Highline TSI

Com os opcionais Beats Sound e Tech High, versão “top” Highline 200 TSI é a mais atraente do Volkswagen Polo, mas pode passar dos R$ 85 mil

   No segmento de compactos do mercado brasileiro, a Volkswagen briga em frentes distintas. Na parte baixa, dos modelos mais baratos, entram na disputa o veterano Gol, que durante décadas foi o carro mais vendido do país, além do Fox e do Up. Já para brigar com as versões mais bem “recheadas” de concorrentes como o Chevrolet Onix, o Hyundai HB20 e o Fiat Argo, o representante da marca alemã é o Polo. Lançada no Brasil em 2017, a atual geração do Polo é oferecida com motores 1.0 MPI, 1.6 MSI e 1.0 TSI, com transmissão manual ou automática. Os preços do Polo 2020 partem de R$53.590, mas podem ultrapassar os R$85 mil com todos os opcionais. Essa “versão ostentação” do compacto é a “top” Highline 200 TSI, adicionada dos pacotes de opcionais Beats Sound e Tech High.
   Com a missão de atrair para as concessionárias os clientes que buscam as versões mais completas dos hatches compactos, a configuração Highline 200 TSI do Polo é movida por um motor tricilíndrico 1.0 turbo TotalFlex, com potência de 128 cavalos com etanol e 116 cavalos com gasolina, sempre a 5.500 rpm, e o torque máximo de 20,4 kgfm com gasolina ou etanol, a 2 mil rpm. Ele trabalha sempre acoplado a um câmbio automático de 6 velocidades, com opção de acionamento manual por meio de “padlles shifts” no volante. 
   Em termos estilísticos, permanecem as linhas apresentadas em 2017. Os faróis de perfil baixo conferem uma aparência agressiva. A segunda barra da grade do radiador é cromada na versão Highline e une as linhas cromadas dos faróis. As luzes de condução diurna em leds ficam ao lado dos faróis de neblina. Na lateral, uma linha dupla em forma de flecha, que começa na coluna de trás e se projeta visualmente para os para-lamas dianteiros, é a marca registrada no design. Na traseira, uma linha horizontal sob as lanternas na tampa traseira, que se desloca para o para-choque e reforça a largura. O difusor, integrado ao para-choque, ressalta a esportividade. Na versão Beats, os espelhos com carenagem vermelha e os emblemas alusivos ao som premium nas portas e nas soleiras dianteiras dão um toque “fashion” ao compacto.
   Pelo preço inicial de R$76.990, o Polo Highline 200 TSI vem com direção elétrica, assistente para partida em aclive, acesso ao veículo sem o uso da chave e botão para partida do motor, sistema de alarme com comando remoto, sensor de estacionamento traseiro, controle automático de velocidade, banco do motorista com ajuste milimétrico de altura, dois airbags dianteiros e dois laterais para os ocupantes dianteiros, ar-condicionado digital, banco traseiro com encosto rebatível bipartido, coluna de direção com ajuste de altura e profundidade, computador de bordo com display multifuncional, controle eletrônico de estabilidade e de tração, bloqueio eletrônico do diferencial, retrovisores externos eletricamente ajustáveis com função tilt down no lado direito, faróis de neblina com luz de conversão estática, luz de condução diurna em leds ao lado dos faróis de neblina, manoplas da alavanca do câmbio e do freio de mão em couro, para-sol com espelho iluminado para motorista e passageiro, porta-luvas iluminado e refrigerado, rodas de liga leve 16 polegadas, sistema de som “touchscreen” com App-connect, suporte para celular com entrada USB para carga e vidros elétricos dianteiros e traseiros, com função “one touch” nos da frente.
   Contudo, o preço inicial de R$76.990 para o Polo Highline 200 TSI vale somente para a cor sólida Preto Ninja (a do modelo testado). Outras cores sólidas (Branco Cristal ou Vermelho Tornado) acrescentam R$490 e as metálicas (Azul Night, Cinza Platinum, Prata Sirius ou Prata Tungstênio) somam R$1.570. Os opcionais adicionam conforto e estilo – e, consequentemente, ampliam a fatura. O pacote Beats Sound – que não é disponibilizado para as cores de carroceria vermelho e azul –, além do sistema de som premium Beats com quatro alto falantes, dois tweeters, amplificador e subwoofer e adesivos laterais e soleira das portas dianteiras com aplique “Beats”, incorpora ainda o porta-malas com sistema de ajuste variável de espaço e rede no porta-malas. As capas dos retrovisores externos são vermelhas. Esse pacote agrega R$2.400 à fatura. Já o pacote Tech High inclui sensor de estacionamento dianteiro, comando de voz, câmera traseira, detector de fadiga, retrovisor interno eletrocrômico, indicador de pressão dos pneus, Active Info Display (display digital), sensor de chuva e crepuscular, sistema de infotentretenimento Discovery Media e sistema de navegação e soma R$4.290 ao preço do carro. Se o comprador optar por uma cor metálica e decidir aproveitar para colocar também rodas de liga leve 17 polegadas com design Razor (por R$1.090), o valor total salta para R$86.340. Mas a proposta do Volkswagen Polo nunca foi ser o hatch compacto mais barato que o dinheiro pode comprar. Ainda mais nessa incrementada versão Highline 200 TSI Beats.

Experiência a bordo - Pitada de irreverência
   O design interno do Polo nacional é conservador, mas nessa versão com o opcional Beats Sound agrega alguma jovialidade – além, é claro, de um sistema de som diferenciado, de alta qualidade. Uma vistosa faixa vermelha – talvez excessivamente chamativa – atravessa todo o tablier e avança para os painéis das portas. Os plásticos rígidos predominam no acabamento, porém a mistura de diferentes texturas não deixa que o aspecto pareça empobrecido.
   O compacto da Volkswagen tem ergonomia correta e o motorista encontra facilmente a melhor posição ao volante por conta dos ajustes de altura e profundidade do volante e altura milimétrica do banco. No de trás, há espaço suficiente para dois passageiros, entretanto, um terceiro viaja apertado no centro, pois o carro não conta com assoalho plano.
   Direção elétrica e suporte de celular no painel em todas as configurações do Polo, a versão Highline acrescenta ar digital, partida por botão com chave presencial, aletas atrás do volante para mudanças das marchas, controle de velocidade de cruzeiro e porta-luvas refrigerados. O pacote Tech High inclui multimídia com de 8 polegadas com GPS integrado e o quadro de instrumentos 100 por cento digital, que funcionam como diferenciais importantes na categoria. 

Impressões ao dirigir - Sem perder o ritmo
   O Polo 200 TSI é um hatch com bom fôlego para o uso urbano cotidiano e surpreende positivamente quando o motorista tem a oportunidade de pisar fundo no acelerador. O câmbio automático de 6 marchas é bem entrosado com o motor e oferece respostas eficientes, rápidas e suaves. Os 20,4 kgfm de torque fazem o compacto produzido na cidade paulista de São Bernardo do Campo retomar a velocidade rapidamente. As aletas para trocas manuais de marchas atrás do volante viabilizam uma performance mais esportiva, sempre que o motorista quiser. As mudanças são ágeis e viabilizam diminuir a velocidade antes de uma curva ou ultrapassagem, por exemplo. O modo Sport eleva os giros do motor e melhora as acelerações – e, como é de se esperar, aumenta o consumo de combustível.
    As suspensões são firmes o suficiente para permitir dirigir esportivamente, porém, são condescendentes com os passageiros, que não sofrem excessivamente com as irregularidades nas vias. Nas curvas fechadas, a carroceria aderna pouco e o motorista sente o carro na mão, o que é bastante tranquilizador. A direção bem calibrada entrega sensibilidade suficiente para dar prazer a quem dirige. Bastante competitivo em relação aos concorrentes – versões topo de linha de Onix, HB20 e Argo –, o Polo Highline 200 TSI Beats é gostoso de se dirigir, esbanja aquela agradável consistência construtiva típica dos projetos germânicos e, se o motorista quiser, é capaz de oferecer um desempenho instigante. Tudo isso embalado por um som Beats, de alto nível.

Ficha técnica: Polo Highline 200 TSI Beats 
Motor: dianteiro, transversal, 3 cilindros em linha, 12 válvulas, turbo, flex
Cilindrada: 999 cm³
Potência: 128 cavalos com etanol e 116 cavalos com gasolina, sempre a 5.500 rpm
Torque: 20,4 kgfm com etanol ou gasolina, a 2 mil rpm
Câmbio: automático de 6 marchas com acionamento manual por meio de manoplas no volante
Direção: elétrica
Suspensão: independente, McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
Freios: discos ventilados na frente e sólidos atrás
Pneus: 195/55 R16 (opcional 195/50 R17)
Tração: dianteira
Dimensões: comprimento: 4,05 metros, largura: 1,75 metro, altura: 1,46 metro e entre-eixos: 2,56 metros
Tanque: 52 litros
Peso: 1.147 kg
Porta-malas: 300 litros
Preço: R$76.990 na cor sólida Preto Ninja (a do modelo testado). Outras cores sólidas (Branco Cristal ou Vermelho Tornado) acrescentam R$490 e as cores metálicas (Azul Night, Cinza Platinum, Prata Sirius ou Prata Tungstênio) somam R$1.570. O pacote Beats Sound acrescenta R$2.400. O pacote Tech High acrescenta R$4.290. E as rodas R17 acrescentam R$1.090. Preço com todos os opcionais: R$86.340,00.

por Luiz Humberto Monteiro Pereira - Agência AutoMotrix.